Revista Portuguesa de Imunoalergologia

Arquivo RPIATodas publicações


  • Editorial 2020 Vol.XXVIII, nº4

    Winter is coming

    Winter is coming”..., a frase popularizada pela famosa série de televisão Game of Thrones ganha um signi cado espe- cial este ano, não pela chegada dos “caminhantes bran- cos”, mas pela crise sanitária em que vivemos e que se prevê agravar nos meses da próxima estação.
    Mariana Couto1,

    Eosinófilos e IL-5 – Novos horizontes no tratamento da asma e outras doenças eosinofílicas 2020 Vol.XXVIII, nº4

    Os eosinófilos participam na defesa do hospedeiro como células do sistema imune inato, mas estão também as- sociados a diversas patologias. Recentemente, tem-se questionado se a acumulação destas células em patologias as- sociadas a eosinofilia tem apenas efeitos patológicos ou se desempenha também um papel nos mecanismos de res- posta homeostáticos.
    Gonçalo Martins dos Santos1, , Sara Prates1, , Paula Leiria-Pinto1,

    Sibilância recorrente em idade pré-escolar: Abordagem terapêutica 2020 Vol.XXVIII, nº4

    A sibilância em idade pré-escolar é uma entidade clínica heterogénea e multifatorial, muito comum, podendo o seu prognóstico variar da aparente resolução total em idade escolar na maior parte dos casos, ao diagnóstico de asma ou perturbação irreversível da função pulmonar.
    Cristiana Ferreira, Maria Arminda Guilherme1,

    Identificar clusters de controlo da asma: Uma análise preliminar dos estudos Inspirers 2020 Vol.XXVIII, nº4

    Identificar clusters de controlo da asma baseados no Teste de Controlo da Asma e Rinite Alérgica (CARAT) e comparar as características dos doentes nos diferentes clusters

    Anafilaxia periparto recorrente como manifestação de mastocitose sistémica 2020 Vol.XXVIII, nº4

    Mulher que, aos 27 anos, desenvolveu choque anafilático durante um parto por cesariana. No perioperatório foram adminis- trados lidocaína, ropivacaína, ocitocina, cefazolina e fentanilo.
    Ana Luísa Moura1, , Frederico Regateiro1, 2, 3, , Iolanda Alen Coutinho1, , Diana Santos Mota4, , Artur Paiva5, , Ana Todo Bom1, 6, , Emília Faria1,

    Angioedema por processionária – Um caso clínico atípico 2020 Vol.XXVIII, nº4

    Mulher de 56 anos com antecedentes de esquizo- frenia par anoide, VIH -1, hipotiroidismo subclí- nico e dislipidemia. Foi observada no serviço de urgência por angioedema labial e lingual exuberante (Figura 1A), apurando-se possível ingestão de lagarta do pinheiro/processionária (Thau- metopoea pityocampa).
    Cláudia Varandas,Marisa Paulino,Fátima Duarte,Elisa Pedro1, , Pedro Falcão2, , Susana Lopes da Silva1, 2,

    Artigos Comentados 2020 Vol.XXVIII, nº4

    A maioria das reações alérgicas ao peixe ocorre com a ingestão de peixes ósseos, sendo a β-parvalbumina o seu alergénio major. Peixes cartilaginosos, como raias e tubarões expressam maioritariamente αparvalbumina, carecendo a sua alergenicidade de maior conhecimento científico. Pretende-se, com este estudo, avaliar se o consumo de raia pode constituir uma alternativa segura em doentes com alergia ao peixe.
    Graça Loureiro, Ana Luísa Moura

    Notícias 2020 Vol.XXVIII, nº4

    41.a Reunião Anual da SPAIC Alergia e Saúde Global, Dia Internacional da Consciencialização para as Mastocitoses e Patologias Mastocitárias, 7.o Fórum de Imunoalergologia do Centro, O Diagnóstico da Alergia na Prática Clínica – Webinar – 4 Novembro de 2020