Revista Portuguesa de Imunoalergologia

Arquivo RPIATodas publicações


  • Editorial 2019 Vol.XXVII, nº1

    A prestação de cuidados de saúde no horizonte da modernidade

    A abordagem prática da hipersensibilidade a meios de contraste é atualmente um dos grandes desafios na área da alergia medicamentosa, sendo muitas vezes necessário tomar decisões em curto espaço de tempo. Muitos são os atos em que o contraste é fundamental, como é o caso da tomografia a computorizada ou da angiograma coronária, verificando-se um reconhecimento e referenciação crescentes dos doentes com reações a meios de contraste, quer reações imediatas quer nã
    Joana Caiado

    Reações adversas a meios de contraste iodados 2019 Vol.XXVII, nº1

    Os meios de contraste radiológico iodados (MCRI) são os meios de contraste mais usados em radiologia e são cada vez mais utilizados na prática clínica. A ocorrência de reações adversas a MCRI é muitas vezes desvalorizada, podendo colocar o doente em risco numa posterior utilização ou, pelo contrário, sobrevalorizada, condicionando restrições desnecessárias. O reconhecimento precoce das reações adversas, assim como a sua fisiopatologia, fatores de risco, abordage
    João Marcelino1, 2, , Sara Carvalho3, 2, , Fátima Cabral Duarte3, 2, , Ana Célia Costa1, 2, , Manuel Pereira Barbosa3, 2,

    Testes intradérmicos e imunodots podem ser úteis no diagnóstico de alergia canina à carne 2019 Vol.XXVII, nº1

    Fundamentos: O diagnóstico de alergia alimentar em cães é geralmente realizado com recurso a dietas de exclusão e provas de provocação. Objetivos: Contribuir para a avaliação do valor diagnóstico de testes intradérmicos (TID) e de imunodots na alergia canina à carne. Métodos: Onze cães suspeitos de alergia alimentar seguidos em consulta externa de alergia foram submetidos a TID para os ácaros do pó e de armazenamento mais comuns, pólenes de gramíneas, carne de v
    Luís Lourenço Martins1, 2, , Isabela Esteves de Campos3, , Célia Miguel Antunes4, 5, , Ana Rodrigues Costa4, 5, , Ana Goicoa Valdevira6, , Ofélia Pereira Bento2, 7,

    Monitorização de esporos de fungos em Lisboa, 2014-2016 2019 Vol.XXVII, nº1

    Objetivo: Avaliar a distribuição dos esporos de fungos potencialmente alergizantes em Lisboa no triénio 2014-2016, caracterizar a sua prevalência na atmosfera e estudar a influência dos fatores meteorológicos nas suas concentrações. Métodos: Monitorizaram-se os esporos de fungos presentes no ar atmosférico de Lisboa entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2016. A amostragem foi efetuada através um captador Burkard Seven Day Volumetric Spore-trap®. Para identificaç
    Raquel Ferro1, 2, , Carlos Nunes3, , Irene Camacho4, , Miguel Paiva5, , Mário Morais-Almeida6,

    Protocolo clínico de abordagem das reações agudas de hipersensibilidade a meios de contraste em Imagiologia 2019 Vol.XXVII, nº1

    As reações adversas agudas não nefrotóxicas com meio de contraste ocorrem em cerca de 0,2% a 0,7% das administrações com contrastes iodados e em 0,24% a 0,07% com gadolínio, sendo as reações graves ainda mais raras1, 2 . Apesar de pouco frequentes, estas reações podem ser fatais, sendo necessário identificar fatores de risco prévios à administração de meios de contraste e estabelecer um algoritmo diagnóstico e terapêutico adequados.
    Cristina Lopes1, 2, , Catarina Tavares3, , Inês Rolla4, , Ernestina Gomes5,

    Proctocolite induzida por proteína alimentar em lactente sob aleitamento materno exclusivo 2019 Vol.XXVII, nº1

    A protocolite induzida por proteína alimentar é uma reação de hipersensibilidade não-IgE mediada, mais frequentemente desencadeada pela ingestão de leite de vaca ou soja mas também já reconhecida no contexto de aleitamento materno exclusivo. Pode manifestar-se nas primeiras semanas de vida e o seu diagnóstico constitui um desafio pela inespecificidade das manifestações clínicas, muitas vezes levando a intervenções médicas desnecessárias e invasivas.
    Carlos Escobar1, , Marta Moniz1, , Pedro Nunes1, , Clara Abadesso1, , Helena Loureiro1, , Anna Sokolova1, , Carolina Prelhaz2,

    Pustulose generalizada exantemática aguda 2019 Vol.XXVII, nº1

    A pustulose generalizada exantemática aguda é uma reação adversa cutânea grave. Pode ser causada por fármacos (90% dos casos, aminopenicilinas, sulfonamidas, hidroxicloroquina, anti-fúngicos), infeções víricas ou bacterianas. Clinicamente manifesta-se por pequenas pústulas estéreis de aspeto não-folicular, numa base eritematosa e pruriginosa, localizadas preferencialmente ao tronco e pregas cutâneas.
    Joana Pita1, , Rosa-Anita Fernandes1, , Carlos Loureiro1, , Ana Todo-Bom1,

    Notícias 2019 Vol.XXVII, nº1

    noticias, novidades

    Normas de Publicação 2019 Vol.XXVII, nº1

    Artigos Comentados 2019 Vol.XXVII, nº1

    TWENTY YEARS’ EXPERIENCE WITH ANAPHYLAXIS-LIKE REACTIONS TO LOCAL ANESTHETICS: GENUINE ALLERGY IS RARE

    A administração de anestésicos locais (AL) é, com frequência, seguida de reações sugestivas de anafilaxia, condicionando a suspeita de alergia. Porém, a demonstração de alergia IgE-mediada aos AL é rara.
    Graça Loureiro, José Geraldo Dias, Natacha Santos

    Prémios da SPAIC 2019 Vol.XXVII, nº1